O Investidor Consciente e sua Disciplina

A maioria dos investidores não consegue seguir as suas regras durante muito tempo. Estes só percebem que estão errados quando começam a perder dinheiro, momento em que voltam a refletir sobre as suas atitude e a obedecerem às suas regras.

É comum que comecem investindo com cautela e à medida que ganham dinheiro fiquem mais gananciosos e comecem a arriscar mais, se contradizendo e quebrando suas próprias regras. Ficam presos num constante processo de “brincar de rico e pobre”.

Enquanto estão “pobres” são cautelosos e responsáveis em suas operações. À medida que essa atitude lhes trás resultado ficam “ricos” novamente e começam a arriscar mais, momento em que param novamente de respeitar as suas regras e voltam a ficar “pobres”. Essa alternância entre medo e arrogância nas personalidades dos investidores faz com que esse ciclo maldito se repita com regularidade, impedindo-os de cumular patrimônio no longo prazo.

“É preciso um enorme esforço para se descobrir que o esforço é inútil”.

MercadoReal

Por isso, é fundamental uma contínua autoreflexão para sair desse paradigma. Porque à medida que os lucros retornam a tendência é apoiar-se neste falso sentido de segurança. Assim, os investidores de sucesso são pessoas objetivas, porém curiosas, confiantes, porém modestas, e jamais arrogantes. A maioria já teve perdas consideráveis e sobreviveu no mercado.

São pacientes e prudentes, suas decisões são baseadas por análises objetivas e realistas, fundamentadas em dados e resultados. Agem com estratégia ao invés de emoção e impulsão. Confiam em sua estratégia e método de análise, entretanto, estão sempre atentos e flexíveis para mudarem de estratégia, bem como para aproveitar novas oportunidades de investimento.

Há muito tempo esses investidores desistiram de querer dominar o mercado ou fazer com que este confirme as suas opiniões e, principalmente, as suas expectativas. Ao invés de esforçarem-se para controlar este ambiente tentando obrigá-lo a mudar, de forma que se ajuste às suas demandas, mudaram suas perspectivas e resolveram adaptar-se às mudanças que ocorrem neste ambiente, atitude a qual muitos fazem resistência, sendo a última coisa que estão dispostos a fazer. E quando o fazem, na maioria das vezes é em razão de alguma situação que os obrigou a mudar, normalmente, são os constantes prejuízos.

Tais investidores não seguram operações perdedoras, operam com risco coberto e procuram proteger seu capital. Esperam a oportunidade certa para fazerem dinheiro. Qualquer um pode tolerar perder dinheiro, porém, são poucos os que têm a coragem de perder, voltar para o mercado e continuar acreditando, tendo a audácia e a confiança de assumir que é capaz de aproveitar as oportunidades e fazer dinheiro novamente.

É fácil perder, desistir e nunca mais entrar no mercado. O difícil é equilibrar as dicotomias e os excessos da personalidade e evitar posicionamentos extremos. É aprender com as perdas e ter a confiança em si mesmo para operar da maneira certa, sabendo que sempre haverá outro pregão amanhã.

Investidores que ao longo dos anos consolidam um bom patrimônio no mercado, possuem formação bastante distinta da área de economia, ou se quer possuem diploma de nível superior. Entretanto, possuem o que há de maior valor, experiência e disciplina.

Muitos acreditam que só ganham dinheiro no mercado os economistas e analistas, que teoricamente, entendem o mercado ou possuem informações privilegiadas. O mercado sobe quando os investidores institucionais o fazem subir e cai quando os mesmos o fazem cair. Isso ocorre na maioria das vezes independente de notícias, resultados econômicos e empresariais bons ou ruins. Acompanhar o que esses fundos estão fazendo, comprando, vendendo ou travando o mercado, lhe fará o melhor analista e lhe trará as melhores “informações privilegiadas”.

Alguns iniciantes têm a fantasia de que outras pessoas os farão ricos. É muito mais fácil seguir os conselhos de alguém do que acompanhar o mercado, ler livros, praticar e aprender por conta própria. Muitas vezes pensam que a função primária dos analistas e corretores é ajudá-los a ganharem dinheiro, mas na verdade, e com muita sorte, essa é a sua função secundária. Sua principal função é fazer dinheiro para as empresas em que trabalham e seus clientes são a chave para isso.

O principal problema que essa abordagem traz é que não permite ao investidor evoluir com suas perdas e não o estimula a estudar. Se dermos dois caminhos diferentes para uma pessoa seguir, ela tenderá a seguir o mais fácil desde que o resultado dos dois seja igual. O problema é que no caso do mercado o resultado não é sempre igual, apesar de muitos acharem que é.

Pode ser difícil de acreditar, mas são as perdas e os insucessos que fazem os investidores evoluírem. Perceber onde e porque falhamos é dar um passo muito importante na nossa aprendizagem. Quem negocia apenas com base na opinião de outros não consegue tirar lições das perdas, pois não identifica o erro de análise que o levou à perda. O único erro que talvez identifique e de ter seguido cegamente a opinião de alguém. E se tiver lucidez para o fazê-lo, talvez essa derrota seja mesmo sua grande vitória.

“Nem sempre o tempo curará as feridas, mas nos trará a educação ao custo da dor”.

Jesse Livermore

Jornais, revistas, sites, analistas e corretores, apresentam apenas ideias e fatos que já ocorreram, e não o que é mais provável que aconteça, iludindo e confundindo o investidor indeciso, não o levando a lugar algum. Em razão disso, muitos investidores preferem se isolar de notícias e opiniões de quaisquer meios, a fim de analisar o mercado de maneira racional, embasados por dados e resultados, e não por opiniões e notícias do passado.

Isso faz com que tomem suas decisões de investimento embasados em sua opinião própria, o que é a maneira mais recomendada de se agir, pois ninguém se preocupa mais com seu patrimônio do que você.

Investidores de primeira viagem estão à procura de uma maneira fácil de enriquecer da noite para o dia, sem gastar nenhum tempo ou esforço para aprender as estratégias de investimento e de análise do mercado, bem como o gerenciamento do risco, ou seja, aquilo que realmente precisam. As pessoas seguem a lei do menor esforço, esperam ganhar dinheiro no mercado de capitais sem nem mesmo se darem o trabalho de aprender o funcionamento e o risco de suas operações.

Não espere que o seu investimento vá lhe render rios de dinheiro sem que você despenda energia para ele. Se você tem preguiça de estudar, de acompanhar o mercado, ou mesmo, de realizar os trâmites operacionais, você não está preparado para investir em renda variável, seja comprando ações diretamente ou através de fundos de investimento. Uma pessoa desorganizada financeiramente ou que vive endividada não tem a menor chance no mercado.

Tampouco espere que um gerente, um corretor ou um “guru” vá resolver o seu problema. Pessoas que dizem não ter tempo para acompanhar o mercado procuram bancos e firmas para investirem seu dinheiro. Normalmente tais profissionais recomendam que seus clientes entrem no mercado quando a tendência de alta já aconteceu ou quando está muito próxima ao seu topo.

Por outro lado, num momento em que o mercado está há meses em queda, em que a maioria das notícias e indicadores econômicos são pessimistas, o que indica que um potencial momento de compra está próximo, os investidores, no entanto, em razão de terem medo, relutam em comprar ou se desesperam e liquidam posições que assumiram anteriormente. Mas normalmente é nestes momentos que a reversão da tendência acontece e o mercado sobe, deixando o investidor de fora, amargando seu prejuízo. Os mercados nunca estão errados; as opiniões freqüentemente sim.

“Não se deixe levar pela ilusão da ordem. Não existe a fórmula exata que vá sempre lhe proporcionar ganhos no mercado”.

MercadoReal

Em todos os momentos de baixa no mercado, em que praticamente todos os papeis caem de preço, quando deveriam recomendar uma estratégia para se ganhar na queda ou aconselhar que seus clientes fiquem fora do mercado, há sempre analistas recomendando a compra de determinadas empresas, normalmente as blue chips.

Entretanto, o fato de tais empresas serem de grande porte, de terem grande fluxo de caixa, de receita e de investimentos, dentre outros, não quer dizer que suas ações não cairão de preço ou que possuam alguma garantira de valorização. Também não quer dizer que empresas de pequeno e médio porte estarão mais suscetíveis a perdas em momentos de baixa, ou que suas ações terão um desempenho inferior ao daquelas.

Outros recomendam estratégias buy and hold, que sugere a compra de determinada ação para mantê-la por tempo indeterminado, independente da situação do mercado, aguardando a sua valorização e realizando novos aportes.

É um método que historicamente tem funcionado bem, contudo, desde que seja implementado em ações de empresas que tenham bons fundamentos e que consigam mantê-los no longo prazo. Além do mais, acompanhando a tendência do mercado e utilizando ferramentas de análise para determinar quando comprar, quando vender e, principalmente, quando ficar de fora do mercado, o investidor pode aumentar o retorno de seus investimentos de renda variável. Portanto, só confie em um palpite se você for capaz de identificar algo que consiga explicá-lo.

Investidores que entraram na bolsa após o final do ano de 2008 dificilmente presenciaram um mercado de baixa, apenas correções de uma tendência de alta que já se estende há dez anos. Nessa década, assim como o mercado de futuros, o mercado de ações está se tornando um investimento de médio e curto prazo. O capital volátil entra e sai da economia de um país cada vez mais rápido e em maior quantidade. Como conseqüência, as ações também estão se movendo mais rápido. E muitos acreditam que estratégias de “buy and hold” não mais possibilitarão a mesma rentabilidade do passado.

Diante deste novo cenário é fundamental aprender a adaptar-se às mudanças e não se iludir. Um bom investidor possui confiança, não otimismo. A confiança vem do uso construtivo do pessimismo. Já o otimismo significa esperar o melhor, enquanto que confiança significa saber como lidar com o pior. Jamais faça uma operação apenas por otimismo. O que muda não é o mercado, mas nós mesmos.

“É fácil ganhar pouco e perder muito na bolsa. O difícil é ganhar muito e perder pouco”.

Além de artigos retratando os principais fatores emocionais e psicológicos que influenciam o comportamento do mercado e do investidor o site MercadoReal disponibiliza também conteúdos que abrangem a análise técnica e fundamentalista para investimento no mercado de capitais, assim como as diversas estratégias de investimento em renda fixa e variável, tais como o mercado a termo, aluguel de ações, mercado futuro e de opções.

Adquira já por R$ 19,50 todo o CONTEÚDO EXCLUSIVO dos módulos de Análise Técnica, Estratégias de Investimentos e o NOVO módulo de Análise Fundamentalista no Ebook Capital e Valor nos formatos Kindle, PDF e EpubClique aqui para maiores informações!