A Personalidade do Investidor e o Mercado

Nos diferentes impasses de nossas vidas temos sempre três opções, fazer a coisa certa, fazer a coisa errada e não fazer nada. Na maioria das vezes não fazer nada é a pior coisa que se pode fazer. O efeito paralisante (anestesia) acontece quando o investidor, posicionado no mercado, tem a razão bloqueada pela emoção e não consegue tomar uma atitude consciente para proteger seu capital.

Pode acontecer tanto numa operação que está dando prejuízo como numa que está dando lucro. Por não aceitar perder o investidor orgulhoso segura uma posição perdedora, aumentando ainda mais seu prejuízo. Por ganância deixa uma posição vencedora se transformar numa posição perdedora, devolvendo todo o lucro que havia auferido porque não estabeleceu um limite de perda para suas operações, ou mesmo tendo-o estabelecido, perde mais dinheiro porque não o respeitou.

Operar no mercado financeiro é uma atividade que exige paciência e dedicação para que gere resultados. Assim, não se deixe desanimar ao achar que você não leva jeito para isso. E acredite, no longo prazo os resultados compensam em muito os esforços aplicados.

“A especulação é o jogo mais fascinante do mundo. Mas não é lugar para pessoas burras, preguiçosas, emocionalmente desajustadas ou para aquelas que querem enriquecer da noite para o dia. Todas estas morrerão pobres”.

Jesse Livermore

A realidade, por pior que seja, é melhor do que a ilusão. Toda vez que você não souber qual é a sua realidade, e ficar se enganando ao pensar que a sua situação é melhor do que ela realmente é, você irá perder mais do que o planejado, e se tiver lucro, irá devolvê-lo para o mercado. Este é o grande passo para parar de perder, aceitar a realidade. E se você não suporta ter prejuízos não entre no mercado financeiro.

O lado emocional do investidor tende a interferir no raciocínio e na tomada de decisões. De certa forma, ser um investidor é um caminho para o autodescobrimento. Operando no mercado passamos por momentos de ansiedade, raiva e alegria, vivemos o medo e a ganância. Todo esse contexto mexe muito com o psicológico de cada um e o lado emocional acaba influenciando o lado racional e objetivo.

Em outras palavras, as emoções acabam com a disciplina e com o gerenciamento de capital. O estado emocional do investidor tende a oscilar entre o medo e a esperança, as duas coisas que acabam com qualquer método de análise, estratégia de operação e gerenciamento de capital.

“As pessoas só aprendem quando o financeiro aperta. Não adianta falar, não adianta avisar, não adianta provar matematicamente”.

MercadoReal

Quando a operação dá errado e o mercado vira contra a posição do investidor, este tem medo de inverter sua posição, ou mesmo, resiste a “stopa-la” por achar que mercado inevitavelmente reverterá a favor da sua posição perdedora. Já outros são orgulhosos, não admitem que estão errados, seguram o prejuízo e se iludem ao buscar algum consolo que justifique sua operação. Esses mesmos investidores não veem outra solução a não ser manter a posição perdedora e aguardar semanas, meses, ou mesmo anos, até que o preço do ativo se mova na direção da sua aposta, se é que isso chegará a acontecer.

Tais sentimentos devem ser dominado e controlados através de disciplina e de  uma estratégia de gerenciamento de risco aliada à regras operacionais rígidas e objetivas. E uma das maneiras de se precaver contra grandes prejuízos é realizando pequenos prejuízos (stops).

Ninguém muda se não reconhecer os seus próprios erros. Infelizmente muitas pessoas continuam errando para sempre e, consequentemente, perdem dinheiro no longo prazo. Somente após sentirem a dor da perda do dinheiro e atribuí-la aos seus próprios erros é que começam a obedecer às suas regras e a não repetir tais erros.

O investidor arrogante diante de uma posição perdedora faz preço médio para baixo, ou seja, investe mais dinheiro na operação perdedora comprando mais ativos a preços mais baixos. O resultado é que a cotação do ativo continua a cair, tendo o “investidor” apenas alavancado o seu prejuízo ao aumentar uma posição perdedora ao invés de “stopa-la”.

Não há porque segurar um papel que está caindo, o que é um vício muito comum, inclusive entre investidores veteranos. Mesmo que o mercado se recupere, ainda será mais lucrativo liquidar a posição e esperar o momento oportuno para recomprá-la mais barato ao invés de correr o risco de ter que vendê-la por desespero e com um grande prejuízo, apenas para depois observar de fora do mercado, amargurado e arrependido, o ativo que vendera recuperando seu preço.

“Como é caro, o preço da burrice”.

Pessoas que se sentem os donos do mundo quando ganham e ficam deprimidas quando perdem não conseguem acumular um grande patrimônio porque praticamente são guiados apenas por suas emoções. A culpa e a preocupação são as emoções mais inúteis para um investidor. Normalmente ele desperdiça seu tempo e raciocínio refletindo sobre o que fez de errado no passado e preocupado com o que pode acontecer no futuro, na maioria das vezes algo que não se pode ter controle.

Esse investidor acaba desperdiçando o presente. Fica parado no tempo se amargurando por comportamentos passados. O fato é que tanto a culpa como a preocupação levam as pessoas ao mesmo resultado, aborrecimento e inércia, impedindo-as de ganharem dinheiro ou de limitarem seus prejuízos.

Ser obrigado a resolver os seus problemas internos pelo mercado é algo que, além de caro, é desgastante e desagradável. O passado é algo que nunca poderá ser mudado, mas a maneira como as pessoas se sentem a respeito dele pode. Os sentimentos e as emoções podem impedir que as pessoas tomem a atitude certa, não comprar um fundo de mercado em função de um contexto econômico ruim e de um histórico de queda das cotações, por exemplo.

A ganância e o orgulho fazem com que os investidores mantenham suas posições quando o mercado reverte sua tendência, devolvendo o que ganharam anteriormente. A arrogância afeta o julgamento e o bom senso. Acreditando que sabem mais que o mercado, investidores insistem nos mesmo erros repetidas vezes. A perda do dinheiro os leva à anestesia, a não tomar as atitudes que deveriam ser tomadas para limitar os prejuízos. A maioria dos investidores quando diante de uma operação perdedora responde de uma maneira que apenas os levará à um processo que limita os lucros e não limita os prejuízos. Exatamente o contrário ao que diz a regra e também o bom senso.

“Limite seus prejuízos e deixe seus lucros crescerem!”

O objetivo de um investidor de sucesso não é simplesmente fazer dinheiro, ele deve buscar executar o seu planejamento e seguir o seu sistema de forma consistente. É uma pessoa que gosta do que faz, estuda, questiona e se aprimora operando, muitas vezes perdendo antes de mesmo de começar a ganhar de forma consistente. A maioria atribui seu sucesso à sua disciplina e embasamento, seguido do uso consistente de ferramentas objetivas e dos fundamentos do mercado. O seu resultado a médio e longo prazo é fruto de seu compromisso, de um comportamento disciplinado, prudente, dedicado e coerente.

Um bom investidor assume total responsabilidade pelos resultados de suas operações, pois não se deve culpar aos outros por suas perdas. Aprende com as derrotas e procura entender seus próprios defeitos e limitações, para então buscar formas de limitá-los no intuito de se tornar um melhor investidor no futuro.

Ao invés de ser ganancioso e impulsivo você deve ser paciente e preciso. Adquirindo com o passar do tempo um domínio maior sobre suas emoções, impulsos e intuição, conseguindo também controlar os seus próprios medos. Agindo dessa forma você executará suas operações com mais eficiência, menos desgaste emocional e sem pressa. O mercado abre todos os dias úteis do ano e boas oportunidades virão com o tempo. Mas esteja consciente de que todo erro no mercado atinge dois pontos delicados, seu bolso e sua autoestima.

“Aprenda a gostar de prejuízos, pequenos prejuízos”.

A perda do autocontrole induz a perda do gerenciamento financeiro e, consequentemente, à pobreza. Para ser um bom investidor você deve estar sempre observando os indicadores de mercado, identificando sua tendência e operando de acordo, ao invés de desperdiçar seu tempo se arrependendo de ter perdido dinheiro e torcendo para que o mercado vire ao seu favor.

Bater de frente com o mercado é a pior atitude que uma pessoa pode tomar. Primeiro porque perderá dinheiro e segundo porque claramente estará agindo por emoção e não por razão. A capacidade de julgamento estará afetada, a esperança e a ilusão afetam o bom senso. A raiva e a arrogância induzem as pessoas a manterem posições perdedoras até que o mercado reverta a seu favor. Mas muitas vezes quando isso acontece já é tarde, muito tempo se passou e o investidor deixou de ganhar utilizando outras estratégias, ou mesmo, fora obrigado a liquidar sua posição por desespero, ficando de fora quando o mercado começou a reagir.

Obter sucesso no mercado de renda variável no longo prazo é difícil, grande parte dos participantes sequer dura mais do que 6 meses no mercado devido à perdas excessivas. Outros têm a sorte de ganhar no começo, apenas para ficarem mais confiantes e acabarem perdendo mais do que conseguiram acumular. O gerenciamento de capital no mercado de renda variável é uma tarefa das mais importantes e provavelmente a mais difícil de se aprender, sendo fundamental que seja feita de maneira séria e comprometida.

A verdade é que após se aprender a investir no mercado, milhões serão mais facilmente gerados do que as centenas que foram ganhas quando se era ignorante.

Jesse Livermore

No início muitos investidores passam por confusão mental, ansiedade, frustração e a dor pelo fracasso. Aqueles que conseguem passar por essa fase e aprendem, persistem no mercado. Os que não aprendem não acumulam patrimônio algum ou são liquidados do mercado.

Disciplina e controle emocional não são habilidades natas, são adquiridas através de aprendizagem e prática, muitas vezes por tentativa e erro. Processo no qual muitos acabam sem dinheiro antes de aprenderem e outros sequer se recuperam psicologicamente dos seus fracassos, e arrependidos, deixam o mercado.

O histórico de suas operações dirá muito sobre sua atuação no mercado, tanto em relação à eficácia da sua análise como ao seu autocontrole. Caso você desconheça seu comportamento no mercado não será capaz de aprender e de repetir o que deu lucro. E quando não se sabe o que se fez para ganhar, é de se esperar que também não se saiba o que se fazer para evitar perder. Situação em que se está operando pelo acaso e pela sorte, sem controle e impotente em relação ao que o mercado poderá fazer. O resultado disso é ansiedade, frustração, confusão, arrependimento e medo.

Embora seja importante operar com embasamento e a favor da tendência do mercado, a melhor estratégia nas mãos de um investidor indisciplinado ou fraco do ponto de vista psicológico, pode gerar um retorno medíocre, ou mesmo, um prejuízo. Desenvolver certas qualidades psicológicas certamente aumentará as suas chances de sucesso no mercado.

Ninguém nasce sabendo operar no mercado. É a prática e a aprendizagem que levam o investidor à excelência. Com o tempo você consolidará a sua estratégia em autodisciplina e controle emocional e estará pronto para mudar sua opinião em relação ao mercado se for necessário.

“Se você não muda, quem te muda é o mundo”.

MercadoReal

Infelizmente a verdade é que as pessoas seguem a lei do menor esforço, entram no mercado seguindo dicas ou passam a responsabilidade para seu gerente no banco. São preguiçosas e investem sem se darem conta que como em qualquer outra atividade é preciso estudar e aprender o funcionamento do mercado, saber no que estão investindo e, principalmente, é preciso planejar.

Quem negocia no mercado sem qualquer planejamento, sem ter dominado as técnicas de análise, e ainda, sem aplicar mecanismos de controle de risco e de gerenciamento de capital, não está fazendo um investimento e sim  apostando num jogo.

O investidor consciente deve agir de maneira a fortalecer o seu sistema, os seus princípios e a sua estrutura emocional e psicológica. A realidade é que o mercado sobe e cai, distribui e acumula, ao invés de se preocupar em tentar adivinhar o futuro se concentre em enxergar o óbvio e aceitar quando cada uma destas situações estiver ocorrendo, especialmente quando for contra você. Este é o grande passo para parar de perder, aceitar a realidade, pois quem se ilude não sobrevive na bolsa.

“Vencedores aceitam perdas ocasionais e seguem em frente, perdedores prolongam suas perdas”.

MercadoReal