O Acompanhamento do Mercado

Investidores criam o hábito de acompanham o mercado por prazer. Não há nada de errado em passar a acompanhá-lo diariamente, buscando estar por dentro do que acontece na economia e nas empresas de que agora você poderá fazer parte. Escolha uma ação que ache promissora e passe a olhar seus resultados a cada pregão. Com o tempo, você vai notar que consegue antecipar seus movimentos mais freqüentes.

Também se sinta à vontade para mudar de opinião. Achar que as coisas mudaram e não mais acreditar numa alta, por exemplo. Se isso acontecer encerre sua posição ou, se restar dúvida, reduza-a de tamanho. É um erro esperar que o preço volte a um valor anterior para então realizar a venda.

O mercado gera uma vasta quantidade de informações, todos os dias são lançados informações de diversas empresas, notícias e indicadores econômicos. Ao levar tudo isso em consideração, o investidor deve aceitar que sua análise nunca abrangerá todo o mercado. E mesmo que abrangesse, ainda não conseguiria aproveitar todas as oportunidades. Logo, ele precisa de um sistema de análise objetivo e que lhe possibilite uma tomada de decisão rápida, sendo fundamental além disso conhecer bem os riscos e potenciais de retorno das estratégias operacionais que pretende implementar e utilizar um disciplinado gerenciamento de capital.

O melhor indicador do pregão é o livro de ofertas, ou seja, o próprio leilão de um determinado ativo. É importante acompanhar a movimentação dos investidores institucionais, mas não pense que sempre ficará evidente o que eles estão fazendo só pelo volume de ordens que colocam no leilão. Não há nada que valha a pena ver que eles vão te mostrar de graça.

Uma grande oferta de compra pode ser um blefe, ou ainda, pode ser apenas uma arbitragem de mercado, ocorrendo em paralelo à compra, uma venda no mercado futuro, e assim por diante. Na maioria das vezes, um movimento importante dos tubarões não estará aparente no livro de ofertas, seja em razão da diluição da posição que fora aberta em centenas de ordens de pequeno valor ou da utilização de ordens invisíveis e de execução de alta velocidade.

“Há coisas mais importantes para se dedicar na bolsa do que tentar enxergar o oculto. O oculto é oculto mesmo. Você não vai enxergar”.

Iniciantes costumam tentar acompanhar o máximo de mercados e ativos de uma só vez. E acabam se perdendo com tanto informação, não conseguindo acompanhar nada. Acreditam que quanto mais informações obtiverem e interpretarem, maiores oportunidades aparecerão e melhor será a performance dos seus investimentos.

Entretanto, para se ter uma boa performance operando no mercado não é necessário acompanhar freneticamente todos os ativos e as últimas notícias. Normalmente as notícias mais importantes consistem em uma meia dúzia de indicadores econômicos e resultados empresariais. O que é fundamental é reconhecer que tipo de informação vale a pena ser estudada e que possa ser utilizada para suas operações, tendo plena consciência do contexto econômico atual e das perspectivas para o futuro.

Com relação aos ativos, o ideal é acompanhar uma carteira com não mais de 20 ações ou ativos e analisá-los regularmente. Isso significa saber a que preço tais ativos abriram o ano, os mínimos e máximos do período e como foi o resultado trimestral de cada empresa. Paralelo a isso, também devem ser analisados regularmente os índices Bovespa e S&P 500, de maneira que fique claro para o investidor a tendência de longo prazo do mercado em geral. Muitas vezes o investidor acaba focando sua análise apenas na escolha de que ativo investir, sem definir o momento ideal de fazê-lo, ou seja, o timing da operação.

O foco do investidor deve estar no mercado que tenha escolhido. Seu objetivo é se especializar, acompanhar poucos ativos e compreender bem os seus movimentos de preço e os fatores que influenciam as altas e baixas em suas cotações. A princípio, o melhor é estar operando num único mercado ou em um único ativo. É extremamente complicado operar em mais de um mercado, não pela atenção do investidor, que terá que ser dividida entre as diversas cotações de preço, mas em razão da tomada de decisão. Quando o momento de decidir e reagir chegar, o fato de estar atento a vários mercados ao mesmo tempo causará confusão. Na medida em que se ganha experiência no mercado pode-se expandir a gama de operações em diferentes ativos.

“Diversificação é uma proteção contra a ignorância e não faz muito sentido para aqueles que sabem o que estão fazendo”.

Warren Buffett

O melhor horário para procurar oportunidades e acompanhar os preços dos ativos é de noite, quando os mercados estão fechados. Você terá tempo para analisar o mercado em paz, refletir e observar os preços, os volumes, os fundamentos e os indicadores técnicos, para então tomar suas decisões para o pregão do dia seguinte. Um investidor disciplinado está sempre acompanhando o mercado, independe de estar ou não posicionado. No início está tarefa será um pouco demorada, mas com o tempo e a prática, este processo não levará mais de 30 minutos do seu dia.

O investidor deve selecionar para compra ações que estão apresentando desempenho superior ao Ibovespa durante o ano. Nem sempre, estas estarão entre as empresas mais lucrativas e com o melhor balanço (pouco endividamento, etc), ou mesmo, entre as blue chips. Por mais óbvio e simples que isso pareça, poucos utilizam essa estratégia de seleção.

Durante uma tendência de baixa no mercado, em que a cada dia o índice atinge novos mínimos, é possível observar que certas ações continuam estáveis, caindo pouco em relação ao índice, ou mesmo, subindo, enquanto que a maioria restante está se desvalorizando significativamente. Isso indica que tais ações têm uma probabilidade de retorno maior que o restante do mercado, pois quando este reverter sua tendência, é de se esperar que essas ações se valorizem mais do que as demais.

Se os investidores institucionais não estão vendendo estas ações, ou mesmo, as estão comprando, enquanto que o restante do mercado está em fase de distribuição, é uma indicação de uma oportunidade de compra, razão pela qual os preços dessas ações não estão caindo. Ações “fracas” não têm suporte por parte dos investidores institucionais, caem facilmente e acompanham mal as correções de alta do índice. Essa estratégia deve ser utilizada também em tendências de alta, em que procuraremos ações que estão sobreperformando a média da bolsa, ou seja, aquelas ações que estão apresentando desempenho superior ao Ibovespa.

Por fim, é importante também acompanhar o calendário dos indicadores econômicos mais importantes, estudar e avaliar os resultados trimestrais e as cotações das commodities e insumos que estão relacionadas às empresas que você acompanha. E, além disso, acompanhar as cotações das empresas multinacionais que são líderes dos setores destas empresas.

Contudo, o investidor não deve ser tornar um escravo do mercado. Consumido pela necessidade de acompanhar freneticamente todos esses aspectos que foram abordados. É preciso saber se desvencilhar do mercado, pois a vida não se resume a isso. Defina claramente qual será o tempo que você dedicará ao mercado, bem como o tempo que você dedicará à sua família, profissão, formação acadêmica e, principalmente, à sua saúde e ao seu prazer pessoal.

“Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe”.

Oscar Wilde

E com relação ao acompanhamento do mercado, é fundamental aceitar que dificilmente será possível obter todas as informações a respeito do mercado ou sobre um determinado ativo em tempo hábil, ou seja, a tempo de poder tomar vantagem disso no mercado.

Da mesma forma, é importante compreender que a qualquer momento um indicador ou um acontecimento novo pode mudar bruscamente a direção dos preços, fazendo com que o investidor fique posicionado na ponta errada do mercado, ou seja, contra a tendência do preço. E à medida que o investidor passa a crer que para tudo que acontece no mercado existe uma explicação e a imaginar que pode prever, ou mesmo, controlar o comportamento do preço, ele se tornará cada vez mais uma presa fácil para os tubarões.

Não cometa o erro de assumir que em razão de ser mínima a probabilidade ou a expectativa de que um evento contrário ao que é esperado ocorra, que o mesmo não possa acontecer. Decisões que aparentemente se mostram sensatas e responsáveis podem acabar se tornando absurdas após terem produzido efeitos catastróficos.

São poucos os analistas que confessam não saberem ou não entenderem o que aconteceu ou por que tal movimento de preço aconteceu. A maioria aponta para um único fator como força determinante, diante da necessidade de gerar certeza para o que ocorreu no mercado. Muitas vezes o mercado muda de forma tão brusca que as profecias do dia têm que serem modificadas com desculpas patéticas no dia seguinte. A solução, portanto, é administrar bem os riscos, alocar bem o capital, acompanhar a evolução do investimento e conviver com a incerteza. Opção que prima pela humildade e pela constante necessidade de aprimorar nossos conhecimentos.

“Se você deseja saber tudo sobre o mercado, vá à praia e passe sua mão sobre as ondas. Algumas são grandes, outras são pequenas, mas se você tentar empurrá-las, jamais conseguirá mudar sua direção. O mercado está sempre certo”.

Ed. Seykota