Comprar Opções a Seco

Mais do que em qualquer outro investimento disponível no mercado, as operações de compra ou de venda de derivativos tendem a produzir resultados que são várias vezes maiores do que as variações nos preços dos ativos objetos nos quais estão referenciados.

São operações alavancadas que permitem assumir grandes posições com um capital investido relativamente pequeno se comparado ao que seria necessário para assumir uma posição similar no ativo objeto. A posição alavancada está associada a um risco maior em relação às demais operações no mercado. Quanto menor a margem, maior o potencial de alavancagem numa dada operação. Assim, a possibilidade de obter retornos mais altos exige a disposição de assumir riscos maiores.

Conseqüentemente, as variações do preço do ativo objeto geram um alto potencial de volatilidade nas posições com derivativos, tanto para cima quanto para baixo. A elevada volatilidade dos mercados derivativos mostra claramente que as operações envolvem riscos muito maiores do que as operações no mercado à vista do ativo objeto. E sendo assim, é fundamental para todo investidor que opera com derivativos conhecer os riscos aos quais suas operações o expõem, devendo refletir a respeito da relação entre o risco e o retorno da estratégia.

“Quem conhece a sua própria ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua própria ignorância vive na mais profunda ilusão”.

Lao-Tsé

Opções permitem que o investidor “alavanque” sua posição, aumentando o retorno potencial sobre um investimento sem aumentar o montante do capital investido, pois o capital investido inicialmente para comprar uma opção é relativamente pequeno em comparação com o retorno potencial.

É difícil para a maioria das pessoas compreender como e por que em razão de minutos, ou mesmo segundos, uma posição no mercado de opções pode sofrer variações tão grandes, possibilitando ao especulador auferir grandes lucros, ou grandes prejuízos, num período de tempo relativamente curto. Isso é algo que a maioria das pessoas dificilmente irá experienciar em suas vidas, pois tradicionalmente fazer uma grande quantidade de dinheiro requer tempo e muito esforço.

Uma opção é então uma maneira de alavancagem financeira, pois se controla uma quantidade X do ativo objeto por uma fração de seu preço no mercado à vista. Contudo, quando dois investidores se comprometem em uma operação a ser realizada no futuro, os riscos são evidentes.

Provavelmente, a estratégia mais simples e intuitiva para operar com opções é comprando-as. É assim que a maioria inicia nesse mercado, comprando principalmente opções de compra, atraídos pelo potencial de retorno ilimitado das calls e diante de um prejuízo limitado ao valor investido (risco máximo). Muitos fazem isso em razão do seu capital inicial não ser grande o suficiente para que obtenham, imediatamente, lucros  significativos comprando ações.

Comprar opções de compra a seco é uma forma alavancada de ganhar com uma alta, mas que pode trazer grandes prejuízos se a alta não ocorrer ou demorar para ocorrer, especialmente aos compradores compulsivos que realizam compras após períodos de grande volatilidade no preço do ativo objeto, quando o valor extrínseco das opções tende a ser depreciado em razão da lateralização do preço do ativo objeto. Ou seja, acabam comprando opções que estão carregadas com muito valor extrínseco em momentos desfavoráveis, o que além de aumentar o risco, diminui o potencial de retorno.

Exposto isso, opções não são “ações baratas”. Toda opção tem um preço de exercício, se o preço do ativo objeto não valorizar/desvalorizar, ultrapassando significativamente o preço de exercício de uma CALL/PUT até a data de exercício, a opção irá expirar e o comprador perderá o que pagou por ela (prêmio).

Apesar do retorno potencial para quem compra calls ser ilimitado, pois seu prêmio aumenta de valor conforme o preço do ativo objeto se valoriza, e, para quem compra uma put ser limitado ao preço de seu exercício, pois seu prêmio aumenta de valor conforme o preço do ativo objeto se desvaloriza, investidores que não conseguem ganhar dinheiro comprando ações estarão condenados ao comprarem opções a seco.

Por não estarem protegidos por algum tipo de hedge, assim como nas operações de spread, há pouquíssima margem para erro. O lucro de uma sequência de operações de sucesso com opções pode ser facilmente perdido diante de uma operação perdedora neste mercado. Assim, de uma maneira geral, é extremamente mais difícil ganhar dinheiro comprando opções do que investindo em ações. Além dos requisitos padrões que investimentos em ações requerem tais como selecionar a empresa certa, analisar o preço, os fundamentos, as expectativas de mercado e definir o momento de abrir e fechar uma posição, é preciso também levar em consideração outros aspectos.

O especulador de opções deve preocupar-se com o quão rápido o preço do ativo objeto irá atingir o valor que ele espera. Por exemplo, se você compra uma ação esperando uma alta para os próximos dias e o papel demorar 3 meses realizá-la, você pode ser dar ao luxo de manter a posição e aguardar que tal alta ocorra. E ainda assim, fará uma operação vencedora. Faça o mesmo ao comprar uma opção e esta irá expirar sem valor algum, pois o tempo terá depreciado quase todo o seu valor.

“Uma pessoa inteligente resolve um problema, um sábio o previne”.

Albert Einstein

Todo o comportamento do preço de uma opção está diretamente ligado ao comportamento do preço do ativo objeto ao qual uma opção garante o direito de compra (call) ou de venda (put). É claro que às vezes as opções podem se comportar de uma maneira “descolada” do comportamento do ativo, o que pode decorrer em razão de fatores tais como a expectativa do mercado sobre o futuro do ativo, a manipulação de “robotraders” de investidores institucionais e, principalmente, em razão da volatilidade no preço do ativo objeto e do tempo que resta até o seu vencimento.

Opções oferecem aos compradores a possibilidade de rapidamente fazer muito dinheiro quando estão certos. Mas se o preço do ativo objeto reverter, ou mesmo, se lateralizar, podem sair do mercado sem nada. Para que uma compra a seco de opção gere lucro, é preciso que a variação no preço do ativo objeto seja grande o suficiente para vencer a depreciação do VE pela passagem do tempo.

Comprar uma opção de compra é apostar que um determinado ativo irá alcançar ou exceder determinado preço até um determinado período de tempo. Perceba que ao realizar a “aposta”, o investidor deve acertar em três aspectos, escolher o ativo certo, predizer a extensão do seu movimento e quanto tempo levará para que ocorra. Se errar em apenas um deles, irá perder dinheiro.

Ao comprar uma CALL ITM, o investidor poderá obter lucro com uma alta no preço do ativo objeto relativamente pequena se comparada à que seria necessária para que o mesmo obtivesse lucro comprando uma CALL OTM, visto que o delta da CALL ITM é muito maior em relação ao delta da CALL OTM. Contudo, terá que desembolsar um capital bem maior para comprar a CALL ITM do que para comprar a CALL OTM. Logo, caso a operação dê errado, seu prejuízo será maior.

Assim, quanto mais OTM estiver a opção maior será a variação necessária no preço do ativo objeto para que a sua compra gere algum lucro. Portanto, apesar de requer menos capital em relação à compra de uma opção ITM, oferecendo assim maior alavancagem sobre capital disponível, o risco da compra de uma opção OTM será muito maior para o investidor, pois esta não tem o suporte do valor intrínseco que a opção ITM possui, e muitas vezes nem mesmo da liquidez de mercado. Assim, as chances de perder todo o capital investido serão muito maiores.

Para muitos, especular comprando opções a princípio parece algo maravilhoso que em pouco tempo pode possibilitar a qualquer investidor iniciante um rápido crescimento de seu capital. Isso porque a rentabilidade de uma posição em opções pode em um dia alcançar a casa dos 2, 3 ou até mesmo 4 dígitos.

Isto mesmo! Nas raras vezes em que o preço do ativo objeto sofre grande valorização quando próximo do dia do vencimento de opções, as CALLs que estão fora do dinheiro podem chegar a subir mais de 1000%, o mesmo acontecendo com as PUTs que estão fora do dinheiro no caso de uma expressiva desvalorização no preço do ativo objeto. E isso pode acontecer em um único pregão, ou mesmo, em um gap na abertura.

O problema é que existe o outro lado da história. Na compra de opções a seco deve-se levar em consideração que as variações no preço do ativo objeto contrárias à posição comprada na opção, somadas a depreciação do prêmio pela passagem do tempo, proporcionam uma perda de valor bastante expressiva nas opções, pois estes dois fatores afetam exponencialmente o preço dessa opção.

Dessa forma, também não é incomum que opções dentro do dinheiro virem pó num único pregão. CALLs que estão dentro do dinheiro podem chegar a cair mais de 95% no caso de uma expressiva queda no preço do ativo objeto ocorrer próximo ao dia do vencimento, o mesmo acontecendo com uma PUT que está dentro do dinheiro no caso de uma expressiva valorização do preço do ativo objeto. Basta uma queda de 5% no preço do ativo objeto na semana anterior ao vencimento da opção para que a desvalorização de uma CALL chegue a 80% ou mais.

Caso o ativo objeto caia de preço, caso demore a realizar o movimento de alta, ou mesmo, caso a extensão deste seja menor do que o investidor precisa, este poderá perder todo ou quase todo o capital investido na opção de compra.

Em razão disso, todo capital aplicado na compra de opções pode vir a ser perdido e o investidor (comprador) deve estar ciente desse risco. E por sua vez, o lançador de uma opção a descoberto deve ter capacidade financeira para cobrir eventuais prejuízos potencialmente vultosos, bem como dispor de garantias suficientes para atender às exigências de margem.

“Dentre os perigos envolvidos na especulação, o acontecimento do inesperado, e eu diria até mesmo daquilo que é improvável, figura no topo da lista”.

Jesse Livermore

Iniciantes se acham as pessoas mais espertas do mundo quando conseguem ganhar 50%, 100%, 300% numa compra a seco de opções. Resultado esse que não lhes ajuda a compreender o risco a que estão expostos e a irresponsabilidade da forma como estão operando. Subestimar o mercado de derivativos é, no curto prazo, arriscar-se a ser liquidado do mercado por falta de recursos, ou mesmo, ainda ficar devendo à “banca”.

A ganância é o motor primário que alimenta o especulador de opção. Mesmo após consecutivos prejuízos, ele não consegue simplesmente parar e repensar sua estratégia, ou sequer desistir dela, dado que a mesma não mais lhe traz retorno algum.

Diante de uma operação que deu errado, o iniciante age como um masoquista anestesiado. Fica sentado esperando que seu dinheiro dobre de valor num dia. Mas muitas vezes, ao invés de ver seu dinheiro dobrar, o coitado se vê diante de um prejuízo de 50% sobre o seu capital, enquanto o tempo passa e o dia do vencimento se aproxima. E assim, observa agonizadamente o preço de suas opções depreciar até que virem pó.

Para esse tipo de especulador não há prejuízo que seja grande o suficiente para fazê-lo desistir. Irá operar até o momento em que o seu saldo financeiro acabar. E quando conseguir juntar mais dinheiro, seja trabalhando, pedindo emprestado ou liquidando investimentos vencedores, irá novamente injetá-lo em compras de opções a seco, seguindo a sua estratégia autodestrutiva para o fundo do poço.

Portanto, não se iluda. Se existe um risco máximo para a sua operação é porque este pode vir a acontecer. Logo, para que a implementação desta valha a pena, tal risco deve ser menor do que o potencial máximo de lucro da operação. E esta por sua vez, deve ser montada em momentos que sejam mais propícios, de forma que o retorno seja otimizado. Isso quer dizer que o investidor deve avaliar fatores como a volatilidade histórica e o tempo restante até o exercício.

Contudo, a dinâmica do mercado de opções sempre induzirá o especulador a tentar fisgar um centavo a mais, o último centavo. Não é raro histórias de especuladores que compraram opções de “centavinho”, cotadas a menos de R$ 0,30, e que quando se valorizaram, estando em torno de R$ 2,50, ao invés de vendê-las e realizarem o lucro, seguraram a posição acreditando que iriam subir mais. Apenas para observá-las caírem de preço, voltando para R$ 0,30 e, posteriormente, virarem pó. Mesmo sabendo que está errado e o que deve ser feito, o especulador é perseverante e tem esperança que suas opções voltem a subir da forma como fizeram antes.

“O poder corrompe; o poder absoluto corrompe absolutamente”.

Lei de Acton

Muitas pessoas que perderam dinheiro investindo em ações tentam recuperar seus prejuízos especulando com opções, ao invés de encararem suas dificuldades e refletirem sobre os motivos que as levaram a perder. Ao lançarem opções no mercado, os investidores institucionais estão vendendo esperança para esses amadores, que compram opções para tentar dobrar seu dinheiro num dia, e que ao final deste, acabam observando-as “derreterem” diante de seus olhos. Ao invés de dobrarem seu capital, saem do mercado com prejuízos de 50%, ou mesmo, 100%.

De uma maneira geral, as chances de sucesso realizando compras a seco são as mais baixas dentre todas as estratégias com opções, ainda mais para aqueles que compram opções OTMs. Para o day trader as opções são nada mais que esperança. Oferecem um bilhetinho barato para o “jogo do mercado” da mesma forma com que fazem as loterias e cassinos.

Como vimos acima, o investimento no ativo objeto exige uma maior disponibilidade de capital. Mas por outro lado, ele não tem “prazo para expirar”. Opções nascem com uma data marcada para “morrer”, e a partir desse dia, não possuirão valor algum. Isso limita toda operação com opção ao seu prazo de validade. No dia do exercício o investidor pode exercê-la ou vendê-la, caso contrário, ela deixará de existir.

Se a operação não produzir resultados positivos nesse prazo, o investidor terá que assumir o prejuízo, o qual pode chegar a 100% do capital alocado, no caso de uma compra, e indeterminado, no caso de uma venda a descoberto.

Além disso, o valor de mercado de uma opção sofre depreciação do tempo. A chamada gordura (valor extrínseco), é maior quanto mais longe do vencimento a opção se encontra. Com o passar do tempo, à medida que a opção se aproxima do vencimento, ela vai perdendo o seu valor extrínseco. Isso pode ocorrer até mesmo num intervalo de minutos.

Por exemplo, supondo que o preço do ativo objeto esteja em R$ 50,00 e o preço de uma call com exercício em R$ 50,00 esteja em R$ 2,40. Caso o preço do ativo caia para R$ 49,80 e volte a subir para R$ 50,00 durante um mesmo pregão. Não seria incomum que o preço da opção caia para R$ 2,25 e, quando o preço do ativo objeto voltar a subir, fique em R$ 2,35, ao invés de R$ 2,40 como estava antes do preço do ativo objeto cair. Ou seja, ainda que o ativo objeto volte para o preço que estava o preço da opção não voltará para o valor que estava anteriormente.

Portanto, são três fatores que fazem com que operações a seco em opções sejam extremamente arriscadas. Em primeiro lugar a altíssima volatilidade causada pela alavancagem. Em segundo o fato de que as opções expiram. E em terceiro a depreciação do valor das opções pela passagem do tempo.

“Conhecer as regras te ajudará a concentrar nos pontos fortes, reconhecer as fraquezas e proteger-se contra as ameaças”.

Sun Tzu

Isso não quer dizer que seja improvável que se obtenham ganhos com essa estratégia. Mas é extremamente difícil obter ganhos no longo prazo operando dessa forma, pois a tendência é que os prejuízos, os quais também são alavancados, acabem com os lucros das operações anteriores.

É muito raro encontrar investidores que conseguem manter esse tipo de estratégia por um longo período, dado o alto nível de stress e a grande dedicação que isso requer, além dos enormes e consecutivos prejuízos. Os poucos que conseguem algum lucro acabam reinvestindo-o em estratégias mais conservadoras, ou mesmo, ainda que invistam-no em operações alavancadas, passam a fazê-lo com o risco coberto (spreads).

Cada um deve decidir o que deseja antes de montar sua estratégia com opções, operando dentro das suas expectativas e possibilidades financeiras, sempre tendo consciência da relação entre o risco máximo e retorno possível. Todo investidor deseja uma estratégia de baixíssimo risco e enorme retorno. Infelizmente isso não existe. Toda vez que se opera com maior alavancagem na expectativa de maior retorno, o risco aumenta.

Ao escrever esse conteúdo adoraríamos poder oferecer uma estratégia mirabulosa com altíssimo índice de certo e baixíssimo risco. Algum “setup gráfico” ou informação privilegiada que de alguma forma pudessem lhe propiciar ganhos enormes, ao mesmo tempo em que lhe expusessem a riscos triviais. Entretanto, o tempo de vida que uma opção possui é muito curto para que se tenha alguma certeza neste mercado. Conforme dito anteriormente, quanto menor o período de tempo analisado, menor a probabilidade de acerto. E, portanto, a panaceia simplesmente não existe.

Todas as estratégias que oferecem enormes potenciais de ganho também envolvem enormes potenciais de risco, implicando em maiores drawdowns e uma performance bastante volátil. Não se iluda com métodos de “trades” revolucionários que funcionam muito bem quando o mercado está em alta, mas que quando numa tendência de baixa trazem enormes prejuízos ou vice versa. Em toda operação que realizar com derivativos esteja ciente das regras, dos riscos aos quais estará expondo o seu capital e, principalmente, do momento de liquidar a operação.

Dificilmente um investidor sobreviverá no mercado de opções operando sem conhecer os riscos de suas estratégias, sendo quase impossível que sobreviva quando estiver se expondo a riscos ilimitados ou realizando compras compulsivas. Portanto, não se iluda com os ganhos rápidos que terá, nem se torne orgulho. Tão pouco seja arrogante o suficiente para perder tudo ou mais do que possui. Seja sempre realista e objetivo, pois o mercado de derivativos não perdoa amadores e fanfarrões. É lugar para estratégia, matemática, risco coberto e responsabilidade. Se você não quer se dedicar a aprender o seu funcionamento e as suas estratégias, talvez o mais coerente seja não operar com opções.

“O que mais importa não é o quanto você tem, mas o que você faz com o que tem”.

MercadoReal

Além de artigos retratando os principais fatores emocionais e psicológicos que influenciam o comportamento do mercado e do investidor o site MercadoReal disponibiliza também conteúdos que abrangem a análise técnica e fundamentalista para investimento no mercado de capitais, assim como as diversas estratégias de investimento em renda fixa e variável, tais como o mercado a termo, aluguel de ações, mercado futuro e de opções.

Adquira já por R$ 19,50 todo o CONTEÚDO EXCLUSIVO dos módulos de Análise Técnica, Estratégias de Investimentos e o NOVO módulo de Análise Fundamentalista no Ebook Capital e Valor nos formatos Kindle, PDF e EpubClique aqui para maiores informações!