O Mercado Futuro

Os contratos futuros costumam serem chamados de commodities e são a base da economia de um País. Esses derivativos se tornam cada vez mais importantes para a economia mundial, tanto como ferramentas para gerenciar o risco, bem como instrumentos especulativos. Atualmente diversos ativos  financeiros são negociados da mesma maneira que as commodities – moedas, índices de ações, taxa de juros e inflação, etc. O mercado futuro engloba todos esses ativos financeiros e as commodities.

Toda atividade econômica está sujeita ao risco de flutuação dos preços dos insumos utilizados e dos preços dos bens produzidos. Esse tipo de risco está relacionado a fatores sobre os quais os agentes econômicos, individualmente, não têm controle. Assim, os mercado futuros foram criados para atender às necessidade dos hedgers e dos especuladores. São chamados de futuros porque os negociantes acertam um preço hoje para uma determinada quantidade de produto que será entregue posteriormente numa data futura.

O hedger encontra-se entre os produtores e usuário de mercadorias, bens ou ativos financeiros, os quais têm interesse em manter um preço para sua produção, e os comerciantes, os quais querem garantir um preço para obter tal produto. Logo, quando se faz um hedge, procura-se diminuir o risco futuro travando o preço futuro de um ativo, transferindo os riscos inerentes à atividade econômica ao especulador.

Numa operação no mercado à vista as duas partes estão efetivamente comprando e vendendo um determinado ativo, de forma que a liquidação financeira e a entrega física ocorrem na data da operação. Já uma operação a termo ou a futuro, é o compromisso de comprar ou vender determinado ativo numa data futura específica, por um preço previamente estabelecido. Uma operação no mercado futuro determina que o comprador terá que comprar uma quantidade de produto em uma data no futuro e o vendedor deverá vendê-la, mas ao preço acertado previamente (no dia de fechamento do contrato).

O comprador de um contrato futuro assume uma posição comprada (long ou hedge de compra) e o vendedor deste contrato assume uma posição vendida (short ou hedge de venda). Para cada posição comprada existe uma posição vendida.

As posições em aberto são as posições (compradas ou vendidas) de um investidor e que ainda não tenham sido por ele liquidadas. Ambos o comprador e o vendedor possuem uma obrigação um com o outro, entretanto, qualquer uma das partes pode encerrar sua posição realizando uma operação contrária no mercado. Se o investidor assumiu a ponta vendedora, fará uma compra para encerrar sua posição, se assumiu a ponta compradora, fará uma venda. A responsabilidade pelo cumprimento das obrigações do contrato é então passada para outro investidor.

“Você pode saber o que fazer e mesmo assim perder dinheiro, se não o fizer rápido o suficiente”.

MercadoReal

O preço futuro de um ativo é formado pelas expectativas futuras sobre o seu preço no mercado à vista. É importante salientar a importância de algumas variáveis, por exemplo, a taxa de juros. Quanto maior ela for, maior será a expectativa com relação a um aumento nos preços, já que o preço futuro contém essencialmente uma expectativa de juros embutida em seu cálculo.

O prazo também é importante, pois quanto maior ele for maior será a incerteza quanto ao preço futuro, assim como em relação à taxa de juros embutida no período. Por isso, os contratos de vencimento mais próximos normalmente são mais baratos que os contratos com prazos maiores. À medida que o contrato se aproxima do vencimento, o preço do contrato futuro e o preço à vista do ativo se aproximam, igualando-se ou mantendo-se bem próximos no dia do vencimento.

Futuros são mercados negociados por margem, tanto o comprador como o vendedor disponibiliza um percentual do valor do contrato para a corretora abrir suas posições no ativo. Numa data futura preestabelecida aquele que abriu a ponta compradora assumirá a obrigação de comprar da ponta vendedora o ativo do contrato, pagando-lhe o valor preestabelecido. Aquele que está na outra ponta do contrato, vendedor, assume a obrigação de entregar o ativo nas condições preestabelecidas, ou seja, recebendo por ele o preço que fora fixado anteriormente.

O compromisso assumido com a outra parte poderá ser encerrado com outra operação, sem a imposição de vínculo bilateral. Em outras palavras, para encerrar uma posição basta que o investidor comprado num determinado contrato o venda; e se vendido, o compre. Do ponto de vista especulativo, estar vendido significa deter posições de venda em contratos futuros, tendo a expectativa de queda do preço do ativo. Estar comprado significa deter posições de compra em contratos futuros, tendo a expectativa de alta no preço.

A margem de garantia é um dos elementos fundamentais da dinâmica operacional do mercado futuro, pois assegura o cumprimento das obrigações nele assumidas. A BM&F aceita como margem de garantia para realizar operações no mercado futuro diversos ativos financeiros, tais como dinheiro, Títulos Públicos, Debêntures, Ouro, Ações, dentre outros.

O valor da margem flutua de acordo com a volatilidade do ativo, quanto maior a variabilidade histórica do seu preço de mercado, maior será a margem requerida para operá-lo. Não obstante a exigência da BM&F, as corretoras podem solicitar de seus clientes depósitos de margem de garantia superiores àqueles determinados pela Bolsa.

Além da margem inicial é necessário manter uma margem de manutenção de posição (saldo em conta). Para exaurir o risco do não cumprimento do contrato em função de uma grande diferença entre o preço futuro negociado e o preço à vista no vencimento do contrato, os mercados futuros desenvolveram mecanismo em que os agentes vendedores e compradores acertam a diferença entre o preço de fechamento do dia anterior e do fechamento do dia atual diariamente, de acordo com as elevações ou quedas no preço futuro da mercadoria.

Todos os contratos futuros são ajustados no final do dia de acordo com seu preço de fechamento. O ajuste diário consiste na equalização de todas as posições no mercado futuro, o que possibilita a liquidação financeira diária de lucros e prejuízos das posições. Ou seja, se o valor do contrato subir, o vendedor pagará a diferença ao comprador, se o valor do contrato cair, o comprador pagará a diferença ao vendedor.

O crédito/débito do ajuste diário é realizado em D +1. O investidor pode retirar da conta qualquer saldo que exceda a margem inicial. Há ainda corretoras que pagam juros sobre o saldo em conta do investidor.

Em razão desse ajuste é recomendável deixar algo em torno de 20% do valor da margem inicial para cada contrato em que se está posicionado disponível em conta. De maneira a evitar eventuais chamadas de margem em razão de pequenos ajustes na operação. As corretoras em último caso para manter a integridade financeira da obrigação assumida pelo cliente, podem liquidar parte da posição para fazer o ajuste da margem de sua operação perdedora.

A liquidação dos contratos futuros pode ser física ou financeira. Na primeira ocorre a entrega física do objeto do contrato mediante o pagamento do valor total do contrato, o qual fora acertado no momento da abertura da posição. É o caso por exemplo dos contratos futuros de ouro, agropecuários e de energia. A liquidação efetiva do contrato ocorrerá mediante a entrega da commodity pelo vendedor e o pagamento do valor de liquidação pelo comprador, obedecendo ao princípio de entrega contra pagamento (delivery versus payment, DVP).

No caso dos contratos sobre ativos financeiros, em especial sobre índice e moedas estrangeiras, ocorre a liquidação financeira exclusivamente. Na data de vencimento as posições em aberto, após o último ajuste, serão liquidadas financeiramente mediante a realização da operação inversa à da posição (compra ou venda) na mesma quantidade de contratos e pelo valor de liquidação do contrato. Com relação às margens exigidas do vendedor e do comprador, os valores restantes após todos os ajustes, serão desbloqueados após a liquidação do contrato.

“Se você não consegue tirar dinheiro das principais atividades as quais você se dedica, então não vai tirar dinheiro do mercado de um modo geral”.

Jesse Livermore

Além de artigos retratando os principais fatores emocionais e psicológicos que influenciam o comportamento do mercado e do investidor o site MercadoReal disponibiliza também conteúdos que abrangem a análise técnica e fundamentalista para investimento no mercado de capitais, assim como as diversas estratégias de investimento em renda fixa e variável, tais como o mercado a termo, aluguel de ações, mercado futuro e de opções.

Adquira já por R$ 19,50 todo o CONTEÚDO EXCLUSIVO dos módulos de Análise Técnica, Estratégias de Investimentos e o NOVO módulo de Análise Fundamentalista no Ebook Capital e Valor nos formatos Kindle, PDF e EpubClique aqui para maiores informações!